Gluteoplastia

Com essa técnica podemos melhorar o aspecto geral dos bumbuns das mulheres, e porque não, dos homens também.

Nunca devemos esquecer que cirurgias plásticas podem sim ser banalizadas por alguns, mas há situações em que são cruciais, como em casos de sequelas de acidentes, malformações de nascença ou até para corrigir problemas com procedimentos estéticos anteriores que resultaram em deformações.

Seja qual for a razão que te fez considerar a possibilidade de se submeter a este procedimento, há algumas considerações importantes que precisamos fazer.

Para quem é indicada a Gluteoplastia?

Esta cirurgia é indicada para todas as pessoas maiores de 18 anos (preferencialmente maiores de 20 ou 21 por conta do desenvolvimento normal do corpo) que apresentam alguma característica estética que lhe é desagradável com relação ao tamanho, formato ou textura das nádegas.

Assim, quem gostaria de ter um bumbum maior, mais firme ou mais simétrico pode considerar a realização deste procedimento.

Como é feita a cirurgia de Gluteoplastia?

Primeiramente, NUNCA, JAMAIS sequer considere a possibilidade de realizar este procedimento com silicone injetável, isso é proibido por lei e nem mesmo um médico tem autorização para realizar este tipo de modificação corporal. Não se deixe enganar por promessas milagrosas de tratamentos realizados em condições duvidosas. Sempre busque por um Médico Cirurgião Plástico devidamente habilitado.

Alerta feito, vamos lá!

Esta é uma cirurgia de médio porte que requer anestesia geral, então deve ser sempre realizada em ambiente hospitalar, por isso não é incomum que seja realizada de maneira combinada com outro procedimento estético caso o paciente tenha a intenção, como uma lipoaspiração, por exemplo.

Nesta cirurgia é realizado o implante de uma prótese de silicone que fica localizada entre os músculos glúteo máximo e glúteo médio. Para isso é feita uma pequena incisão (não maior do que 7 cm) na lateral interna de cada glúteo, dessa forma as cicatrizes ficam discretas e muito pouco visíveis.

Em conjunto com o implante de silicone, pode ser realizada uma lipoenxertia autóloga, nome complicado que quer dizer que o cirurgião fará um transplante de gordura para o glúteo, permitindo assim que o resultado final tenha um aspecto mais natural.  

Quais são os tipos de próteses utilizadas na Gluteoplastia?

Atualmente contamos com uma variedade de próteses, redondas, semiesféticas, ovais, de perfil alto ou baixo, lisa ou micro-texturizada, além dos tamanhos que variam bastante. Assim, a escolha da prótese ideal para cada caso vai depender da avaliação do cirurgião com o intuito de corresponder às expectativas do paciente de forma que o resultado seja o mais natural possível e esteticamente apropriado ao biótipo de cada um.

Pode parecer desnecessário, mas vale ressaltar que próteses de glúteos são próteses de glúteos e não há a possibilidade de se utilizar uma prótese mamária na Gluteoplastia. São regiões com características muito distintas e a prótese de glúteo precisa ser muito mais resistente que as mamárias para suportarem o peso da pessoa quando sentada.

A escolha do tamanho da prótese

Quem busca uma cirurgia dessa natureza normalmente não está contente com o volume do bumbum e tem a tendência de exagerar na expectativa do resultado, querendo uma prótese maior do que o recomendado.

Mais importante que o tamanho, é preciso avaliar a harmonia do corpo e não estamos acostumados a nos vermos de costas, por isso nossa percepção sobre nós mesmos costuma ser distorcida, então fica a dica, confie na opinião do seu cirurgião.

Como é a recuperação da cirurgia de Gluteoplastia?

Esta é uma etapa crucial para o bom resultado da Gluteoplastia, porque é o processo de cicatrização adequado que irá determinar o aspecto final da cirurgia.

Normalmente há a necessidade de internação por pelo menos 24 horas e nas primeiras 48 horas o paciente deve permanecer deitado de barriga para baixo. Somente depois deste período é possível deitar-se de lado. 

Cerca de dez dias depois, dependendo da avaliação médica, o paciente pode ser liberado para sentar. Neste período inicial é normal sentir dor, mas esta pode ser aliviada com analgésicos e será necessário utilizar uma cinta modeladora por não menos que trinta dias.

O repouso é fundamental durante a recuperação e o paciente precisará usar uma cinta modeladora, por isso esta é uma cirurgia que deve ser bem planejada para garantir o tempo adequado de recuperação. O esforço é recompensado pela durabilidade do implante, que não precisará ser trocado por 20, 25 anos.

O retorno à normalidade na rotina diária é lento e gradual, com a realização de exercícios físicos muito leves inicialmente como caminhadas dentro de casa até um período em torno de 60 dias quando é possível a retomada gradual de exercícios mais vigorosos como a academia.

Quais são os riscos da Gluteoplastia?

Quando realizada de maneira apropriada pelo médico e se seguidas as recomendações e cuidados do período pós-operatório, os riscos são pequenos, no entanto não podemos assumir que não haja nenhum.

Por se tratar de uma região delicada, com muita mobilidade e com uma questão de higiene muito particular, o maior risco está associado ao corte e sua cicatrização. Não é raro que pontos abram no corte, mas este problema é facilmente resolvido com uma nova sutura e a utilização de curativos. É muito importante o cuidado com a higiene para evitar risco de infecção.

Fora isso, outras complicações que podem acontecer estão relacionadas ao período de cicatrização do implante em si, especialmente quando não são respeitados os períodos de cuidado com pressão sobre as nádegas, o que pode causar o deslocamento da prótese e o desenvolvimento de assimetrias.

Posts recentes

Agendar consulta

    WhatsApp

    16. 99152-2348

    Você pode agendar sua consulta também pelo nosso WhatsApp. É Rápido e fácil!

    Cirurgião Plástico
    Dr. Gustavo Zampar
    (16) 3621-9969
    Ribeirão Preto

    Avaliação Tridimensional Facial e Corporal Pré-operatória

    Clinica Pioneira no interior de São Paulo a utilizar tecnologia tridimensional nas avaliações e planejamentos cirúrgicos.